Confira a crônica do escritor e advogado Silvio Lopes: Fechando as portas

Confira a crônica do escritor e advogado Silvio Lopes: Fechando as portas

Vamos lacrar as “portas”. Todas as ideias devem ficar sem páginas. É tempo de cólera. Qualquer situação que venha causar revolta é cólera da tempestade. Sanha do tempo nosso. Impossível viajar no mundo das ideias. Idear que me sentarei do teu lado esquerdo, fica proibido de ser publicado. Que me sentarei à tua direita, é falta de moralidade. Posso desejar permanecer de pé? Será falta de ideologia. É obrigatório ser doutrinado. Nesse teatro universal, o drama é voltar à Idade Média. Não há espaço para que se defina uma opinião. O grande salão de festas é desalinho total. Pessoas de um estrato social é alarde perigoso. Em tudo, em toda face, existe uma visagem inimiga. O capitalismo, comunismo, socialismo, fascismo, nazismo, enfim, esse bordel democrático mal redigido, até para Flaubert é impossível ser escrito em um só volume.

Sílvio Lopes de Almeida Neto
Escritor e advogado
Instagram: @silvioadvcrim
Foto: divulgação

Deixe uma resposta