Se perdoar e perdoar a quem nos fez o mal no passado

Se perdoar e perdoar a quem nos fez o mal no passado

Se perdoar é dar espaço ao tempo para que este nos ensine que cada dia é uma dádiva. É difícil esquecer aqueles que nos fizeram sofrer, mas, isso não significa que todos os dias devemos acordar nos martirizando pelos nossos erros e escolhas do passado. Assuma sua responsabilidade pelas suas escolhas. A maturidade vem e nos alcança com o tempo fazendo que tenhamos nova visão de nossa vida e assim nada mais seja algo realizado pelo impulso e sim planejado para que não soframos com rasteiras que a vida pode nos dar. Ao confiar em alguém e ser traído desperta em nós sentimento que nos avassalam e nos tornam outras pessoas, onde as vezes usamos de sibilos com rancor e proferimos até mesmo maldições contra a vida de alguém.

O rancor e a raiva faz com que nossos olhos fiquem nublados e carregados e as vezes sequer temos consciência disso afastando boas pessoas que podem contribuir com o nosso crescimento pessoal. E assim nos tornamos amargos gradativamente por uma escolha errada do passado. Somos livres. Fato, mas as vezes nós nos tornamos carrascos de nós mesmos com a culpa e a raiva do que já passou e não temos como mudar. Todos os dias ainda erramos e estamos sujeitos a sermos “passados para trás”. Ninguém é perfeito e sequer sabe tudo. Quando passei pelo meu processo de transição para a liberação do perdão não foi fácil olhar para trás e aceitar que eu era a responsável por cada decisão tomada de forma impensada, mesmo tendo em mãos todos os sinais que eu deveria parar eu quis continuar e assim quase perdi os poucos amigos que me restaram com a minha amargura e péssimo humor pois, aquela era minha verdade naquele momento.

No início murmurar e xingar eram reflexos de uma alma  amargurada que não era capaz de liberar o perdão por mais que pessoas falassem que isso estava me matando aos pouco. Eu estava morta mesmo viva. Até que um dia um amigo me perguntou até quando eu continuaria responsabilizando os outros pelas minhas escolhas ruins e se realmente eu desejava que todos inclusive ele se afastasse de mim. Entendi então que  eu não deveria me perdoar e liberar o perdão pelos outros ou pelo dano que imagina ter causado ou vivido, mas por eu mesma. Não era certo eu continuar viva e possuindo a capacidade de fazer tudo o que eu quisesse simplesmente ter parado a minha vida para me matar aos poucos com meu próprio ódio.E comecei a pensar  naquilo que vivi  como algo inevitável naquele tempo e a pessoa que eu era naquela época era outra. E de forma suave vi  que o mal que eu tinha sofrido eu também tinha responsabilidades sobre ele, e que ninguém é totalmente culpado por uma amargura que eu mesma optei em viver, e que acima de tudo:As pessoas são diferentes uma das outras.Cada uma tem o seu próprio ponto de vista de diversas situações. Respeito vem do berço. Então por que ainda estava eu vivendo de passado por quem agora é livre e vive a sua maneira? Assim eu resolvi voltar ao controle e assumir a responsabilidade pela minha saúde mental.

Quando a gente se culpa por uma escolha, essa culpa nos envenena por dentro. Se responsabilizar pelo caminho é importante, mas tornar essa responsabilidade numa tirana culpabilização apenas vai te destruindo por dentro. É como beber um pouquinho de veneno todos os dias. Culpa é quando o ódio se volta contra você mesmo. Não odeie a si mesmo por ter errado. É muito tentador rever a situação minuciosamente para encontrar tudo aquilo que se fez de “errado”. Não faça isso! Liberar o perdão é algo que é sempre falado com tanta facilidade em comunidades religiosas e na bíblia mas quando se trata da prática é algo que leva tempo pois a nossa mente é livre, e ela tem a capacidade de voltar a tempos atrás.

Se eu ou você caro leitor pudéssemos voltar no tempo, quais escolhas você mudaria em sua vida? Provavelmente muitas não é? Eu sempre com raiva me peguei pensando na condicional SE. Nós não vivemos de condicionais, vivemos pelo sim ou pelo não. Mesmo sabendo que algumas decisões foram tomadas erroneamente no passado isso não me dá ou a dá você o direito de continuar estagnando sua vida. Tudo passa! Assim diz o ditado, ou nada dura para sempre, em vista destas afirmativa concluímos que não temos um tempo eterno na terra somos humanos e imperfeitos estamos sujeitos a errar a todo o momento.

Se perdoar é liberar o perdão para si mesmo e para o outro, é compreender que não temos tempo a desperdiçar com rancores do passado. Aceitar sua responsabilidade em cima daquilo que te incomoda ou sobre quem te machucou não é vergonhoso e sequer você precisa ir até ao outro e falar: Eu te perdoo apenas viva a sua vida de forma livre e desimpedida. Eu resolvi recomeçar e você? O que tem te impedido hoje de se perdoar e recomeçar?

Texto dedicado ao meu amigo Jadel Bezerra de Cubatão SP

Mary Luisa dos Santos Silva
Bacharel em Direito
Pós Graduada em Docência Jurídica
Instagram: maryluisa.may
E-mail:mlsslafaiete@yahoo.com.br

Deixe uma resposta