Pandemia e os desafios na educação

Pandemia e os desafios na educação

Sabemos que o maior impacto e transformação em tempos de pandemia ocorreu justamente na educação e além do impacto diretamente às escolas, as quais precisaram se reinventar, desestabilizou também as famílias, afinal a rotina que existia antes era outra e agora com a criança dentro de casa, os pais precisam reestruturar toda uma organização de tempo, espaço, cuidado e acompanhamento.

E isso desestrutura de certa forma toda a rotina familiar e, não só para os pais se tornou desafiador, mas para a criança também, que ficou sem os colegas, sem a professora, sem a rotina de ir à escola.

Precisamos ter claro que a criança ao estar em casa, por mais que esteja no momento de aula online ou de estudos, ELA ESTÁ EM CASA, então ela irá se comportar diferente de quando ia para a escola.

Em casa tem distrações e movimentações diferentes da escola. Em casa, tem o irmãozinho brincando, tem o cachorro latindo no quintal, tem uma televisão à vista, tem uma conversa entre os adultos ou um cheirinho de comida na cozinha… enfim, coisas e distrações que na escola não tem.

Tudo isso não afeta só a concentração, mas principalmente o emocional da criança.

E cada uma tende a um comportamento mediante essa nova realidade…

Tem que criança que se adaptou ao online, sem nenhum problema…

Tem criança que apresentou resistência no início e logo se adaptou…

Como também, tem criança que até hoje esse é um desafio ainda não superado…

Estamos perto de um retorno ao presencial. Mas como será esse retorno? Como as crianças irão se comportar? São ainda dúvidas e incertezas, que só o tempo irá nos dizer.

Mas o que nós, pais, podemos fazer nesse momento?

O que precisamos é acolher nossos filhos, porque se está difícil para a gente, imagine para eles.

Então mais do que pensar em conteúdo, vamos pensar no emocional de nossos pequenos.

Vamos ajudar nossos filhos a entender os ganhos que eles podem encontrar nos estudos, de forma que a criança realmente veja a questão do estudo como um ganho e não como um peso, como algo chato ou uma obrigação sem fundamento.

Precisamos ajudá-las a compreender suas próprias emoções: O que pensam? O que sentem?

E em nosso papel de pais, nos colocarmos ABERTOS A AJUDAR a criança e NÃO FAZER POR ELA.

Ouvir de fato o que a criança tem a dizer.

Deixando claro para a criança que o momento para o estudo precisa e vai existir. E aqui a questão não é deixar a criança escolher se quer ou não estudar, mas sim, junto com ela entender como seria a melhor forma desse momento acontecer, para que seja um momento mais leve, divertido e prazeroso.

Faça perguntas do tipo: Filho, como vamos aprender? Como você quer estudar? Como você se sente no ambiente reservado para seus estudos? Filho, aqui onde você está fazendo as atividades, está te permitindo concentrar?

E esse entendimento e a busca por soluções precisam ser feitas junto com a criança. Precisa satisfazer às NECESSIDADES DA CRIANÇA.

Os pais precisam observar seus filhos, vendo seu real interesse na forma que o conteúdo está sendo apresentado por exemplo, e buscar junto à escola formas de adaptar à demanda. E essa demanda é, muitas vezes, individual, é de cada criança.

Para a escola também não está sendo fácil, também estão precisando se adaptar a essa nova realidade. Então, sem julgamento, vamos buscar soluções, através do diálogo, visando sempre o aprendizado e o crescimento da criança.

Sabemos que o aprendizado do conteúdo nesse momento, muitas vezes, não está 100%, mas já se sabe também que priorizar pelo desenvolvimento de habilidades e competências socioemocionais é o que levará nossas crianças a terem mais autonomia frente a seu aprendizado.

E isso, com certeza, é o que irá reverbera positivamente seja no retorno ao presencial ou mesmo para toda a vida dessa criança, afinal conteúdo a criança poderá adquirir a qualquer momento de sua vida e com habilidades e competências socioemocionais bem desenvolvidas, essa criança irá se tornar protagonista no processo de aprendizagem, desempenhando um papel ativo na construção do próprio aprendizado e não apenas absorvendo conteúdos, mas também agregando conhecimento.

Quer conversar mais a respeito desse assunto?

Sou Sula Resende, KidCoach e Consultora Familiar e Escolar (Especialista em comportamento infantil e formação socioemocional) e ajudo famílias e escolas a lidarem com os desafios diários na educação das crianças, melhorando as relações interpessoais e promovendo um saudável desenvolvimento socioemocional.

Será um prazer te acolher.

Sula Resende

KidCoach e Consultora familiar e escolar.

(31) 99656-6686

Instagram: @sularesende.kidcoach

Atendimento presencial e online.

Deixe uma resposta