Diagnóstico financeiro: por que é importante saber quanto gasto?

Diagnóstico financeiro: por que é importante saber quanto gasto?

Quem nunca pensou em poupar, investir e ganhar mais dinheiro, não é mesmo? Como administradora e educadora financeira, noto que a maior procura vem de pessoas buscando o melhor tipo de investimento, perguntando o valor mínimo para começar a poupar, simulando quanto vão ganhar em 6 meses e também pessoas endividadas. Investir, assim como tudo na vida, é uma questão de escolha. Mas, devemos escolher com base em quê? O que deve ser considerado?

Antes de aprendermos sobre investimentos, é necessário diagnosticar sua atual situação financeira, como se fosse uma fotografia. Como você acredita que a foto de sua realidade atual seria? Generalizando, há 3 tipos de pessoas:

1 – As que não têm ideia de seu custo de vida mensal, gerando uma fotografia feia;

2 – As que têm ideia, mas se surpreendem com imprevistos e gastos fora de sua rotina. Seria uma foto que até boa, mas não é a ideal para colocar no perfil das redes sociais;

3 – As que têm ideia de quanto gastam, com o que gastam e que conseguem se planejar, poupar e até mesmo investir. Essa foto seria aquela maravilhosa, com mais de 200 curtidas no Instagram ou Facebook!  

Há mitos acerca de toda essa situação: às vezes as pessoas pensam que não são capazes de poupar e de saber quanto gastam, pois não ganham tanto quanto gostariam. Mas, assim como não há valor ideal para começar a poupar, não há receita, ou salário, ideal para começar a se preocupar com suas finanças. O senso comum tentará nos desviar do real sentido do diagnóstico financeiro, porém de forma nenhuma as anotações necessárias para o diagnóstico ocorrer deverão ser feitas continuamente.

É recomendado fazê-las durante 30 dias para pessoas com renda (s) fixa (s) e durante 90 dias para pessoas com renda (s) variável (is). O real objetivo dessa ideia é identificar qual a situação atual financeira em que a pessoa se encontra. Existem inúmeras formas de se controlar gastos: planilhas, aplicativos, cadernos etc, entretanto esta não é a ideia central. O que a Educação Financeira propõe, e também o que lhe convido a fazer, é descobrir qual a sua atual situação financeira através de anotações. Note que a ideia é funcional, cada pessoa pode escolher o método de anotações que mais se adequa a sua rotina e preferência, contanto que os gastos sejam categorizados e descritos corretamente, destrinchados com o valor, forma de pagamento e data. Para isso, é necessária ajuda de um profissional qualificado.

Desta forma têm-se plena consciência de quais gastos são recorrentes no dia e a dia. A quantificação e categorização corretas auxiliarão muito nas futuras decisões. É importante ressaltar que as anotações deverão ser feitas no momento da compra, para não haver risco de esquecimento ou equívoco. Com todos estes dados, teremos consciência de seu custo de vida mensal e haverá uma revisão de hábitos, possibilitando maior autoconhecimento e clareza de seus objetivos pessoais. Posteriormente, o indivíduo será capaz de saber quando gasta e como se planejar, além da possibilidade de mudanças nos hábitos financeiros. Sempre se questione: este gasto vai melhorar minha qualidade de vida ou será apenas um prazer momentâneo? Fique atento ao consumismo!

Após a conclusão do diagnóstico, é necessário refletir sobre as seguintes questões: Há sentido em guardar dinheiro sem ter um propósito por trás disso? Qual o sentido de meramente acumular dinheiro e rendimentos? Se hoje eu ganhasse R$ 800.000,00 o que faria? Tenha sempre em mente que o dinheiro é simplesmente um meio utilizado para conseguir chegar aonde se quer estar, de vivenciar experiências tão desejadas e de se possibilitar sonhar e vislumbrar novas possibilidades. A moeda, resumidamente, é uma das formas de conseguir o que se almeja! Ou seja, há pessoas que com todo esse dinheiro construiriam uma casa, outras uma empresa ou ONG, entretanto várias já me disseram que viajariam ou que iniciariam uma graduação. O que fazer com o dinheiro depende de cada um, e cada pessoa possui um sonho ou objetivo diferente. Mas isso é já é assunto para outra matéria! Espero que eu tenha conseguido clarear um pouco para vocês a importância do diagnóstico financeiro. Até a próxima!

Thaís Mara Lopes Henriques
Administradora – UFSJ
Educadora Financeira – DSOP
Especialista em comportamento do Consumidor – UNIARA
E-mail: thaishenriques10@gmail.com – Telefone (32) 99117-9107

Este post tem um comentário

  1. Monique

    Excelentes dicas!! Vou aderir 👏

Deixe uma resposta