Como ser mãe, esposa, mulher, dona de casa e profissional sem perder a pose

Como ser mãe, esposa, mulher, dona de casa e profissional sem perder a pose

    Ser convidada a escrever sobre este tema é algo que me deixou tão feliz quanto honrada. Estarei relatando a minha experiência como Mulher, Mãe, Esposa, Dona de Casa e Profissional.

 A finalidade é motivar vocês, mulheres, a reconhecerem e colocar em prática o potencial de vocês. E aos homens sugiro valorizarem suas esposas e incentivarem-nas a realizar seus sonhos.

    Mãe, mulher, esposa, dona de casa e profissional. O acúmulo de funções tem desgastado as mulheres que engrossam a fila de doentes cardíacos e outras complicações. Uma publicação feita pelo Journal of the American College of Cardiology  mostra que mulheres correm mais risco de sofrer com doenças cardíacas provocadas pelo estresse, já considerada a epidemia do século pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

  Essa informação me chamou a atenção para um autocuidado e uma reorganização da minha rotina.

   A primeira coisa que você precisa saber é: você não está sozinha! Não mesmo!

  Em tempos de pandemia a nossa responsabilidade frente aos estudos dos filhos aumentou de maneira estupenda. Estamos atreladas juntamente com a escola às atividades a serem cumprimidas pelas crianças. E muitas mães estivemos a beira de um surto. Além disso, precisamos cumprir as metas no trabalho, cuidar da casa, ser companhia do marido, dos filhos, e ainda achar um tempo para cuidar de nós mesmas! Nós mulheres, principalmente após a maternidade, assumimos muitos compromissos e não são raras as vezes em que parece uma missão impossível conciliar todos esses papéis.  

     Soma-se a isso (além do estresse da pandemia) uma “cultura” de que temos que encarnar a Wonder Woman (Mulher Maravilha) e dar conta de tudo. O resultado dessa equação: uma mulher cansada, estressada e cheia de culpa.

     Sempre me confortou saber que não era a única. Confortou, porém não me conformou.

      Oras Lívia! Qual a fórmula mágica para fazer dar certo? Não existe.

     A boa notícia é que ao longo dessa jornada venho colecionando dicas para elencar prioridades e tornar todo esse processo mais leve, prazeroso, divertido e saudável tanto físico como mentalmente.

    Vou listar algumas dicas (já testadas e aprovadas) e espero que assim como me auxiliam nesta rotina agitada, possam auxiliar vocês também. Vamos lá.

    O hábito de listar as atividades que preciso realizar (em ordem de prioridade) durante a semana me permite organizar a logística da minha família (meus dois filhos de 8 e 5 anos, meu marido e eu) de uma forma que fique mais fácil cumprir alguns compromissos (exemplo: a aula particular é propositalmente próxima a minha casa, logo consigo arrumar tudo aqui enquanto eles estão fazendo as atividades lá. Tenho uma hora para isso! Aproveito os fins de semana para planejar as refeições que serão feitas durante a semana).

  Quem disse que nós precisamos abraçar tudo? Podemos e devemos pedir ajuda! Delegar e confiar é preciso. Como? Aqui em casa, meus pais ficam com os meninos para eu dar aquela saidinha e resolver serviços de banco, supermercado, etc. Podem e devem dividir tarefas também com o marido (o meu é super tranquilo e faz a parte dele com muita excelência!), o namorado, os sogros e os dindos.

    O meu filho de oito anos já  colabora nas pequenas tarefas da casa como estender a cama dele,  guardar os brinquedos, lavar algumas louças. E, com isso, o mais novo se prontifica a ajudar dentro das possibilidades dele. Somos exemplos!

   Outro ponto muito importante: NÃO SE COMPAREM! Muitas vezes olhamos para o lado e pensamos: Como aquela outra mãe parece conseguir dar conta de tudo e nós parecemos apenas surtar.?

Mas a verdade é que a rotina de cada mãe é diferente e cada uma sabe das suas realidades. E todas nós devemos nos organizar dentro da nossa realidade e recursos. Ao nos compararmos  podemos nos deprimir e não explorar nosso potencial.

 

 Por fim, um ponto que venho descobrindo é que a minha felicidade não deve estar 100% baseada em meus pequenos ou na minha família.

  Todas precisamos  ter um tempo para cuidarmos de nós mesmas (pré requisito básico para cuidar bem do outro)  e nos sentir felizes além da maternidade. Fazer uma atividade física (faço em casa, no YouTube, mas pode ser na academia; lembremos da opção de delegar!) Ir ao salão de beleza, ler um livro, tomar um banho demorado, sair com as amigas!

  Namorar é preciso! Programe para sair ou ter seus momentos de intimidade com seu parceiro. Planeje. Organização e disciplina são a chave para nós mulheres sermos cada vez melhores e o principal: felizes, cheiad de auto-estima  e orgulhosas dos nossos progressos.

   Tudo isso fará com que nos sintamos mais relaxadas para as demandas do dia a dia e, consequentemente, mais felizes, bem dispostas e prontas para entregar o nosso melhor àqueles que tanto amamos bem como a nossa profissão.

  E o mais importante de tudo : saber que às vezes as coisas não vão sair como planejado, e está tudo bem.

Passo isso com frequência! Isso não faz de nós menos mãe, mulher ou profissional.

Isso faz de nós Humanas em busca da evolução física, emocional, intelectual e profissional.

+ amor – caos

 

Até breve! Até muito breve!

Paz & Bem!

Mil estrelas

Lívia Baeta

Este post tem um comentário

  1. Jorge

    Parabéns pelo texto e por você também.

Deixe uma resposta