Cinco novos padres foram ordenados na Arquidiocese de Mariana durante cerimônia na Basílica em Lafaiete

Cinco novos padres foram ordenados na Arquidiocese de Mariana durante cerimônia na Basílica em Lafaiete

Com o mesmo lema do 3º Ano Vocacional do Brasil, “Corações ardentes, pés a caminho” (cf.Lc 24, 32-33), a Arquidiocese de Mariana realizou na manhã do último sábado, 19 de novembro, na Basílica do Sagrado Coração de Jesus, em Conselheiro Lafaiete (MG), a Ordenação Presbiteral dos jovens Jonhy Sales de Figueiredo Dias, Pedro Hugo Alves Talin, Róbson da Cunha Chagas, Vitor Nogueira de Campos e Wesley Pires dos Santos. Eles haviam sido ordenados diáconos em 07 de maio deste ano

A cerimônia foi presidida pelo Arcebispo de Mariana, Dom Airton José dos Santos, e contou com a presença de padres, diáconos, seminaristas, religiosos e fiéis leigos advindos de toda Arquidiocese, além dos amigos e familiares dos neo-sacerdotes.

De acordo com o Arcebispo, “os cinco jovens estão muito bem preparados do ponto de vista intelectual e acadêmico. São jovens muito bons. No Seminário, eles fizeram uma experiência de convívio, de estar juntos, de serem co-responsáveis uns pelos outros, então, não vão ter dificuldade nenhuma em entrar nesse presbitério da Arquidiocese de Mariana, que conta com 202 padres… um ministério grande, com diferentes idades”, destacou. 

Os cinco novos sacerdotes durante a celebração de ordenação. Foto: Magu Tavares

A Ordenação Presbiteral, constituída pela eleição do candidato, a homilia, o propósito do eleito, a ladainha de Todos os Santos, a imposição das mãos, a prece de ordenação, a unção das mãos e a entrega da patena e do cálice, emocionou a todos que acompanharam a cerimônia, principalmente, os pais, irmãos e amigos dos diáconos, como é o caso do Senhor Ciro Ambrosio dos Santos, que viajou 110 km de Senador Firmino (MG) a Conselheiro Lafaiete (MG), com a esposa, para prestigiar a Ordenação Presbiteral do filho, Wesley Pires dos Santos. 

Sorridente, ele enfatizou que era um dia de extrema alegria e disse que já imaginava esse momento, porque desde de pequenininho, o filho frequentava a igreja. “Ele já foi coroinha e com oito anos de idade brincava de celebrar a missa. A gente sempre incentivou para ele hoje ser padre”, apontou o pai do novo sacerdote.

Padre Wesley, vendo a reação do pai, disse que a manhã de sábado “foi um dia para rememorar todas as lembranças, a graça de Deus que nos escolheu e nos conduz desde o ventre materno para esse serviço, para essa doação do povo de Deus. Por isso, nesse dia também, vem à memória todas as pessoas que me ajudaram a chegar até aqui, fruto de um processo, é um caminho que foi percorrido. Por isso, agradeço a Deus, aos meus pais, que disseram sim para me gerarem a esse mundo, também me educaram na fé, a minha comunidade paroquial de Nossa Senhora da Conceição, de Senador Firmino, onde aprendi a ser um bom cristão, as minhas catequistas, professoras e também, nesse dia tão especial, relembro a formação que recebi no Seminário de Mariana, que formam os futuros padres da nossa Arquidiocese, tudo isso, para bem formados servir melhor o povo santo de Deus”, relatou. 

Padre Wesley e seus pais. Foto: Magu Tavares

Quem também esteve presente na celebração foi a Senhora Edna Cristina Alves Talin, que viajou 90 km de Antônio Carlos (MG) a Conselheiro Lafaiete, com o esposo José Pedro Talin, para ver de perto a ordenação do filho, Padre Pedro Hugo Alves Talin. Com os olhos cheios d’água, ela disse que não conseguia expressar o que estava sentindo. Ele ressaltou que é um sentimento de muita alegria e muita gratidão a Deus por tudo que ele está vivendo. “Eu nunca pensei que ele seria padre. A partir do momento que ele manifestou esse interesse, a gente apoiou, a gente ficou do lado dele e a cada ano que passava ia se confirmando essa vocação, até chegar hoje”, ela disse. 

Já o pai do Padre Pedro Hugo, o Senhor José Pedro Talin, também muito emocionado, disse que o filho fala em ser presbítero desde os três anos de idade. “É um estado de graça. Agradeço a Deus por isso”, afirmou. 

Abraçado aos pais, Padre Pedro Hugo disse que “é um sentimento de muita completude, por incrível que apareça, por tamanha completude é até difícil explicar cada sentimento que se passa no coração. O que mais transborda é alegria e ação de graça a Deus por nos escolher tão limitados para um ministério tão grandioso”, destacou.

Padre Pedro Hugo e seus pais. Foto: Magu Tavares

Emoção

Os outros três neo-sacerdotes também expressaram em palavras as emoções do dia. Confira: 

Pe. Jhony Sales – Foto: Magu Tavares

“O sentimento é gratidão, porque relembrar desde do início da caminhada, onde Deus chama, tira da família e leva para o seminário, com esse tempo intenso de preparação. Foram 12 anos de estudo e de formação, procurando sempre configurar a minha vida, as minhas atitudes ao Cristo Bom Pastor. Chegar aqui hoje, na ordenação, é motivo de muita alegria, muita gratidão a Deus porque ele, na bondade Dele, me chama para ser discípulo, seguidor e anunciador da palavra Dele”, relatou Jhony Sales Figueiredo Dias. 

Pe. Vitor Campos – Foto: Magu Tavares

“O sentimento é de alguém que realmente encontrou o sentido da vida. Um sentido profundo, não algo superficial, e que todo processo de mais de dez anos, ele agora chega em sua plenitude com a ordenação presbiteral. Então, o coração é realmente de alegria, mas, principalmente de sentir-se amado por Deus. Ele realmente ilumina as nossas vidas. E, por ser iluminado por Ele, é que agora eu me ponho totalmente à disposição dele. Então, acredito que o coração é um coração em paz, em paz porque é um coração realizado, não algo secundário, mas algo essencial à vida humana”, disse Vitor Nogueira de Campos. 

Pe. Róbson – Foto: Magu Tavares

“O sentimento que perpassa meu coração, nessa manhã, é de esperança. Ao mesmo tempo o sentimento de gratidão a Deus, por tudo aquilo que Ele realizou em minha vida e, por isso, por ser tão agraciado, por ter sido escolhido por Deus, mesmo diante das minhas vulnerabilidades, da minha pequenez. O sentimento que prevalece no meu coração é justamente esse de esperança, e eu também tenho esse objetivo de ser sinal de esperança na vida e no coração de tantas pessoas que rezam por nós. Eu sou fruto da oração de uma comunidade, que sempre rezava por mim, que sempre pedia a Deus que enviasse mais sacerdotes e hoje estou aqui com o coração muito agradecido querendo ser esse sinal na vida das pessoas, sinal de Deus, da graça, do evangelho”, destacou Róbson da Cunha Chagas. 

A Ordenação presbiteral terminou aos sons de aplausos, sorrisos, lágrimas de alegrias e um almoço servido para todos os presentes na cerimônia. 

Fonte Arquidiocese de Mariana

Deixe um comentário