21 de março:  Dia Internacional da Síndrome de Down

21 de março: Dia Internacional da Síndrome de Down

Hoje dia 21 de março é comemorado o dia Internacional da Síndrome de Down.

As crianças com SD, desde o nascimento, apesar de alguns aspectos comuns, irá apresentar um padrão distinto de desenvolvimento. Os déficits mais comuns em crianças portadoras de SD são no desenvolvimento neuropsicomotor.


A Síndrome de Down (SD) tem como característica principal o atraso no desenvolvimento, tanto das funções motoras do corpo, como das funções mentais. No aspecto motor o bebê com SD é totalmente hipotônico (tonicidade flácida); mas isto diminui com o tempo, e a criança vai
evoluindo, embora mais tarde que as outras, as diversas fases do desenvolvimento.


Para que a criança consiga alcançar uma fase de vida mais ativa e independente ela precisa,desde bebê, ser estimulada. A estimulação precoce procura estimular a criança desde o nascimento, sendo possível, à criança, ter condições de desenvolver suas capacidades.

Isto poderá ser desenvolvido com todas as crianças, tendo elas, atraso ou não. A estimulação precoce é o ato de estimular o bebê logo após o nascimento ou nos primeiros anos de vida, preferencialmente antes dos 3 anos de idade, pois quanto antes começar a estimulação, melhor e mais rápido será o desenvolvimento dessa criança.


Quando as crianças que apresentam algum atraso no desenvolvimento neuropsicomotor não são estimuladas precocemente, poderão apresentar limitações nas habilidades funcionais como no banho independente, alimentação e autocuidado, na mobilidade como levantar da
cama e ir ao banheiro com independência, e da integração psicossocial como interagir com outras crianças.


Por esse motivo o Terapeuta Ocupacional é muito reivindicado por
pais e cuidadores que procuram uma melhor qualidade de vida.


A Terapia Ocupacional (T.O) intervém de maneira positiva e funcional quando se diz respeito à estimulação precoce, pois o profissional da T.O desenvolve métodos e técnicas que influenciam no desenvolvimento do indivíduo como um todo, sempre tendo como objetivo principal a melhor qualidade de vida do mesmo e maior independência.


A atuação do Terapeuta Ocupacional (T.O) na estimulação precoce de crianças com SD, visa o desenvolvimento físico, psíquico, motor, sensorial, social e familiar do mesmo, tendo como principal objetivo melhorar a qualidade de vida e promovendo o desenvolvimento global.


O T.O desenvolve estratégias através do brincar que estimula a criança. O brincar é essencial para a criança em seu processo de desenvolvimento e formação como sujeito.


O trabalho que o Terapeuta Ocupacional exerce na estimulação precoce em crianças com SD é fundamental para seu desenvolvimento. O objetivo principal do T.O nesse contexto, é promover as fases do desenvolvimento global da criança SD, protegendo e conservando as
funções existentes.

Por meio, da estimulação precoce o T.O busca sempre prevenir o paciente contra os déficits que podem ser desenvolvidos futuramente, sendo capaz de trazer grandes contribuições como esclarecimento para os pais, cuidadores e profissionais da saúde o que o terapeuta ocupacional pode contribuir e melhorar a qualidade de vida desses pacientes.


A estimulação precoce pode ser definida como um programa de acompanhamento e intervenção clínico-terapêutica multiprofissional com bebês de alto risco e com crianças pequenas acometidas por patologias orgânicas, buscando o melhor desenvolvimento possível, por meio da mitigação de sequelas do desenvolvimento neuropsicomotor, bem como de efeitos na aquisição da linguagem, na socialização e na estruturação subjetiva, podendo contribuir, inclusive, na estruturação do vínculo mãe/bebê e na compreensão e no acolhimento familiar dessas crianças.


O desenvolvimento global da criança depende muito do ambiente em que ela vive. O ambiente mais tranquilo fica mais propicio, mas deve
fornecer-lhe estímulos variados. Qualquer objeto pode ser um estímulo conveniente para a criança, desde um chocalho, uma bola colorida até os mais sofisticados equipamentos tecnológicos.


A maior parte dos programas de estimulação precoce são dirigidos a crianças de 0 a 3 anos. Geralmente esses programas envolvem atividades de fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional. É importante não fixar idades para a aquisição de habilidades, pois há grande variação no desenvolvimento das crianças com Síndrome de Down.


O principal foco da terapia ocupacional junto à família e o bebê com Down é elaborar atividades em um ambiente lúdico e de interação para garantir o melhor desenvolvimento sensóriomotor necessário para construir uma estruturação da personalidade para a criança.

Fabiana Rodrigues

Terapeuta Ocupacional Pediátrica

Deixe um comentário